Tomar - Ponte Velha - Rio Nabão - Portugal

Tomar - Ponte Velha - Rio Nabão - Portugal
Fotografia: Joaquim Francisco - Tomar - 2008-02-25

Quem sou:

A minha fotografia
Alguém que pensa que: Não há nada de oculto que não deva aparecer ao público. Se alguém tem ouvidos, que ouça. Se alguém tem olhos, que veja. Se alguém tem boca, que fale.

ÍNDICE - CONTENTS - INHALT - Περιεχόμενα

Tornado em Tomar e Voluntariado

Para começar, agradeço desde já a todos os VOLUNTÁRIOS que se voluntariaram para ajudar. Quero igualmente agradecer a todos os Sapadores, Canarinhos e Bombeiros Voluntários (de Ferreira do Zêzere também) que com a sua já bem demonstrada dedicação, estiveram o tempo todo no terreno. Para a Protecção Civil, Estalagem Sta. Iria, uma palavra de apreço. E para concluir, um grande e caloroso agradecimento a toda a população de Tomar (aproximadamente 40 mil) que se dedicaram de alma e coração, a não fazer absolutamente nada para ajudar. Penso que esta falta de coragem da grande maioria da população, até foi útil. Porquê?... Porque ficámos a conhecer o espírito de inter-ajuda que corre nas veias tomarenses. LAMENTÁVEL. Continuando.
De Fotos Actividades e Passatempos Radicais
O grupo de 16 VOLUNTÁRIOS eram poucos mas BONS e, diga-se, desdobrámo-nos o mais possível para ajudar as populações afectadas. Realmente, ao estar no terreno, fica-se com outra ideia em relação ao que aconteceu. Uma coisa é termos uma visão periférica do que aconteceu mas a realidade é bem diferente. É como andar de carro numa estrada em mau estado, sentimos as oscilações do veículo mas nada mais do que isso. No entanto se andarmos por ela a pé, vemos os buracos, o lixo das bermas, as imperfeições, numa palavra, OS ESTRAGOS. Foi isso que se viu, os estragos e verdade seja dita, muitos, muitos e muitos. Imagino agora a aflição, o pânico e o desespero que estas pessoas viveram e atrevo-me a dizer vivem. Foi traumatizante (ponto). Espero agora que esta ocorrência sirva para que, de futuro, mais VOLUNTÁRIOS apareçam, pois todos os braços são imprescindíveis. E que não se mandem BOCAS ao trabalho da Protecção Civil. Não fica bem, cada um tem de fazer o seu trabalho, com o timing que se pode arranjar, com os braços para trabalhar possíveis e só, repito, só. Para finalizar, gostaria de deixar aqui registado uma curiosidade sobre os VOLUNTÁRIOS, pois é bom que saiba: Um VOLUNTÁRIO de Viseu, uma de Alverca, de Leiria e um VOLUNTÁRIO veio de Bruxelas. Alguém que não tinha nada a ver com Tomar mas DEDICOU o seu tempo a Tomar.
Joaquim Francisco – Tomar – 2010-12-12 – VOLUNTÁRIO 11 e 12 de Dezembro